TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco              
sitedagranja
| Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui

Planeta Eu

03/02/2014

A Terra e os errantes navegantes


A Terra não tem luz própria como têm as estrelas. Ela é escura. A claridade que nos encontra toda manhã vem do Sol, nosso astro Rei, nosso pai que nos dá a vida.

A Terra é nossa mãe, enfeitada, complexa, bela que se vira em volta do seu eixo, permitindo assim que todos seus cantos recebam a luz dourada do Pai.

Não conseguimos magoar o Sol. Já ela, a Terra, sofre com nosso mau gosto, nossa capacidade de destruir, de exagerar maculando demais a paisagem.

A água da Terra não vem de outro lugar senão daqui mesmo. Ela vai do céu para a Terra continuamente: despenca na cachoeira, corre no rio, salga no mar, passeia na nuvem e nós a sujamos quando passa por nós.

Hoje é sábado, à noite. Alguns jovens que encontrei estavam cansados. Eles tinham passado o dia acompanhando uma senhora aposentada, que acorda bem cedo todos os dias, prepara muita comida e sai pelas ruas indo aos pontos que ela conhece para alimentar gatos de rua. Os jovens queriam saber onde encontrá-los, para poder cuidar deles e castrá-los.

São voluntários, fazem isso porque o coração manda.

Anjos! Dos gatos, ao menos. Anjos que não tem asas visíveis, e têm, como todos, contas a pagar, endereço fixo, talvez até frieira !

São talvez os Bodhisattvas do Budismo, que, entre outras definições, são pessoas que se dedicam a ajudar os seres vivos.

Para defini-los melhor aqui vai um trecho do livro “Práticas que apóiam Dzogchen: A Grande Perfeição do Budismo Tibetano” de Neal J. Pollock:

“Três pessoas estão andando por um deserto. Seca e sede, eles espiam um muro alto à frente. Eles se aproximam e circulam o muro, mas não tem entrada ou porta. Um sobe nos ombros dos outros, olha para dentro, gritando "Eureka" e pula para dentro. O segundo, em seguida, sobe e repete as ações do primeiro. O terceiro laboriosamente sobe o muro sem assistência e vê um luxuriante jardim. Ele tem água fresca, árvores, frutos etc. Mas, em vez de saltar para o jardim, a terceira pessoa salta de volta para o deserto e procura andarilhos do deserto para falar sobre o jardim e como encontrá-lo. A terceira pessoa é o Bodhisattva.”

Esses jovens Bodhisattvas e a senhora aposentada não cuidam só dos gatos. Dessa maneira cuidam também de mim, de você, de todos, do planeta enfim. Mesmo assim, acredito que ela, eles, possivelmente os gatos, eu e você, quase nunca pensamos na água que sujamos, nem no Sol que nos garante cotidianamente a vida.

Abençoados e tão esquecidos que somos!



 * O título é inspirado na canção Terra de Caetano Veloso.

Foto: Pedro Vargas.


Veja mais

Você está melhor?
No Baile com Hitler
Ela não veio
Santa ou maligna?
Isso é verdade ?
Sim, ele respondeu!
Ser cantora ou ciumenta?
Pirei na Batatinha!
Leva meu coração?
Eu minto sim!
Nana Nenê!
Os mansos e o presente
Vamos de mãos dadas!
Zezinho Bruce e eu, no Crepúsculo!
Papai Mamãe: um Clássico!
Piquenique com os Seres de Luz!
Sou feia!!
O corpo desobediente! por Jany
Não tem só bem pensar!
Voa Aurélio! por Jany

 


Jany

Escritora e Focalizadora de Dança Circular no UlaBiná.

Pesquisar




X





















© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR