Fone: (11) 4617-3641 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco            
sitedagranja
| booked.net | Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui
Voltar

09/03/2010

9 de março

Os leitores que me perdoem, mas vou falar do dia internacional da mulher às avessas (as letras, em caixa baixa, são propositalmente!).


Os leitores que me perdoem, mas vou falar do dia internacional da mulher às avessas (as letras, em caixa baixa, são propositalmente!). Sou contra! Chego a ser até desagradável quando alguém vem, logo de manhã cedo, dizendo entusiasmadamente: "Feliz dia da mulher!!!!!!". Não consigo agradecer! Na verdade, nem sorrir! Agora, imaginem no final do dia, depois de ouvir isso umas 289 vezes... Uma coisa que devo esclarecer: não sou feminista e sou adepta do cavalherismo! Uma coisa não tem nada a ver com outra. Liberdade, igualdade de direitos e deveres é diferente de educação e sensibilidade.

Meus filhos costumam dizer que adoooro uma polêmica. Mas não se trata de ser do contra, trata-se de uma questão de hipocrisia. Na verdade, nunca curti dias especiais como dia das mães, dos pais, da criança, de isso e daquilo. Até mesmo o Natal acho esquisito. Teria dezenas de argumentos que agora não viriam ao caso e nem mesmo caberiam neste texto. Um dia, me justificarei e falarei sobre isso. Agora, Dia da Mulher é de lascar! Isso é discriminação oficializada. Vocês já repararam que só tem Dia da Mulher, do Índio e do Negro (Da Consciência Negra)? Por que não institucionalizar o Dia do Branco e do Amarelo? Pra começar, não existem raças específicas. Existe a Raça Humana, da qual fazem parte a mulher, o índio e o negro. Por que então estabelecer um dia especial para as mulheres se o mesmo não é feito para os homens? Aliás, eles adoram fazer gracinha dizendo que o dia do homem é todo dia... A piada já é velha e chata...

Existem mulheres especiais como existem homens especiais. E, mesmo conquistando cada vez mais o seu espaço, de pouco adianta homenagear as mulheres em um dia e nos demais matá-las, estuprá-las, escravizá-las sexualmente, agredi-las (física e moralmente), espancá-las e pagá-las com um salário cinco vezes menor do que se pagaria a um homem exercendo a mesma função? Por essas e outras, sou contra esses dias "especiais". Eu não quero ganhar florzinha de ninguém e o que mais o marketing me oferecer. Eu quero, como todas as mulheres, ganhar salário compatível com o dos homens na minha carreira, não ser preterida em entrevistas de emprego (isso porque já faz um tempo em que a escolaridade das mulheres supera a dos homens), não ouvir que mulher dirige mal (aliás, uma das poucas coisas que faço muito bem é dirigir), que lugar de mulher é no tanque ou pilotando fogão, que pra fazer qualquer coisa tenho que pedir autorização pro marido, que posso ter amigos homens sem ser taxada disso ou aquilo, e assim por diante...

Adoro ser mulher e se houver outras vidas, quero voltar mulher. Mas não precisa me homenagear por isso. Eu tenho plena noção que, nós mulheres, somos maraaaaaavilhoooosas, que sabemos do nosso papel na sociedade e que queremos festejar todos os dias o fato de sermos mulheres. Afinal, dia da mulher, do negro, do índio, do gay, do especial, do cidadão, enfim, da vida, são todos os dias!

Angela Miranda
Jornalista, Geógrafa e moradora da Granja Viana há mais de 20 anos.

angela@granjaviana.com.br









 

Pesquisar





















© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 96948-3326 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR