TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco              
sitedagranja
| Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui

TV Esporte Voltar

06/04/2006

França se recusa a enfrentar o futuro


Mais uma vez, a tradição de rupturas revolucionárias bate a porta da história francesa. Milhões de manifestantes, cuja maioria é formada por jovens estudantes e sindicalistas, tomaram as ruas e praças de várias cidades francesas para protestar contra as medidas tomadas pelo governo referentes ao contrato do primeiro emprego. A lei que reduz direitos trabalhistas por dois anos para estimular empresas a admitir jovens menores de 26 anos colocou a França sob tensão. Cenas de violência foram registradas em todo o país reativando as manifestações de novembro de 2005. Na ocasião, jovens desempregados das periferias das grandes cidades, na sua maioria descendentes de imigrantes africanos e árabes, realizaram ações violentas para demonstrar seu descontentamento com as políticas sociais do governo.
Agora a situação se agrava. O primeiro-ministro Dominique de Villepin, autor da lei, buscou dar uma saída para o engessado mercado de trabalho francês, mas está pagando caro pela iniciativa e agora tenta apagar o incêndio negociando com os manifestantes. O ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, ganhou munição para criticar seu oponente a candidatura conservadora a presidência da França. Independente dos interesses políticos envolvidos na crise, o que está em jogo é o futuro e a viabilidade do sistema produtivo da França. Trata-se de uma questão existencial, que põe o Estado e sua competência em xeque, fenômeno típico da história francesa.
A lei proposta por Villepin é a tentativa de injetar um pouco de liberalismo na crônica tradição estatizante francesa. Apesar de o Conselho Constitucional ter considerado a proposta de Villepin dentro da legalidade, a França recusa-se a se adaptar ao mundo moderno. É irônico, senão trágico, que as manifestações de 2005 foram realizadas por uma classe que se queixava da exclusão de um sistema econômico que não a absorve. A atual manifestação vem de estudantes e sindicalistas conservadores, contra a mudança que justamente favoreceria a incorporação de massas de excluídos no sistema. Os franceses caíram na ilusão de que mantendo o sistema atual estarão preservando empregos estáveis. Não percebem que para os excluídos a opção entre empregos menos estáveis no curto prazo é absolutamente nenhum emprego. E a razão para haver um engessamento do emprego e uma taxa de desemprego oficial e crônica de 10% é justamente a existência de uma burocracia estável e intocável com empregos garantidos para a vida. Nem o Estado e nem o empregador privado tem interesse em manter empregos intocáveis e super-protegidos pela legislação. Como conseqüência, não empregam mais. Como se não fosse o suficiente, os franceses são os críticos maiores da interdependência e da globalização. A aversão às forças do mercado é uma doença infantil francesa. Esquecem-se de que a riqueza francesa foi construída por empresas capitalistas de primeira classe e não pelo Estado. Reivindicam padrão social de uma Dinamarca enquanto não tem recursos para mantê-lo (doença importada pelo Brasil, diga-se de passagem). A classe política francesa falhou em mostrar ao eleitorado a necessidade de adaptação ao mundo contemporâneo. Continuou e ceder às velhas pressões anti-americanas, protecionistas e temerosas da integração. O temor de enfrentar o consenso conservador que paralisa a França é responsabilidade do Presidente Chirac e do inacreditável imobilismo da opinião pública que não se manifesta diante dos programas ultrapassados apresentados pelo Partido Socialista na oposição.
A França se reusa a enfrentar os desafios do novo tempo. Suas incertezas produzem reflexos na Europa e no mundo. Ao rejeitar a Constituição Européia deixaram a impressão de não saber que Europa vislumbram para o futuro. O debate interno causado pela lei que reduz os direitos trabalhistas deixa a impressão de que os franceses não sabem nem o que querem para si mesmos. Quanto mais insistirem no modelo de Estado social e protecionista maior será o descrédito nas suas potencialidade de liderar qualquer processo, seja europeu ou mundial. Para enfrentar esta teimosia delirante e isolacionista só mais uma revolução...


Veja mais

Prenúncio de um desastre: a indústria têxtil brasileira
Governança Global:
O dilema norte-americano

2006: o cenário internacional e as eleições no Brasil
História das Relações Internacionais II
O Século XX: do declínio europeu à Era Global

Quo vadis América Latina?
Alemanha unida, 15 anos
O Brasil virou Itália?
Bolívia, e agora Brasil?
E a França disse não
O Triste Quadro Político Sul-Americano
O marco da Constituição Européia
O futuro do ocidente: relações entre Europa e EUA
O Mundo e o segundo mandato de Bush
Política Alemã: mudança de poder à vista?

 




Pesquisar




X























© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR