TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco              
sitedagranja
| Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui

Varal com texto Voltar

12/06/2008

Poesia e Ciência: Duas Vocações


Morro de curiosidade mas não desfaço a vontade de saber por que as pessoas insistem em tentar ser cada vez mais eruditas, cada vez mais difíceis, cada vez mais inacessíveis.

Numa carta intitulada “Depoimento sobre a poesia”, Paulo Leminski – poeta curitibano dos anos 70/80 diz:

Tenho um horror pop a qualquer palavra que obrigue o leitor normal a ir ao dicionário. O resultado deve ser raro, os ingredientes têm de ser simples. Tem um difícil que é fácil. E um fácil que é muito difícil. Prefiro esse. Contra os aparatos persas, diria Horácio.

O que Leminski queria dizer é que a poesia está a serviço do povo, e para isso deve estar mais perto do povo. Essa ostentação erudita também me enche o saco!

Na música
Na literatura
Na sociologia
Na vida!

Esse blá blá blá que não quer dizer nada, cheio de palavras difíceis, de metáforas que nem mesmo a própria metáfora sabe o que quer dizer aquela metáfora. De palavras que o dicionário nunca ouviu falar. Isso me cansa os ouvidos.

Então, faço o que posso...

Uma música acessível, em que as pessoas ouçam e digam: “gostei”.
Uma literatura simples, em que faça rir e sorrir.
Uma sociologia mais direta, mais perto da sociedade


MAS ISSO É DIFÍCIL!

Fazer ciência está BEM longe de fazer poesia. A ciência ainda não acreditou que o povo pode entender o que ela tá falando. A ciência não se leva a sério, não sabe o poder imenso que ela tem...

A ciência não percebeu que ela é maior que a publicidade, que o direito, que o investimento econômico. Porque, quando a ciência perceber, vai usar a publicidade para falar dela, vai usar o direito para defendê-la, vai usar os investidores para colocar mais água nesse caldo.

Mas não. Nós – cientistas e sociedade, insistimos em deixar ela bem longe, lá dentro da academia. E aí, quem sobra pra população?

A publicidade banal – e toda sua indústria do consumo descartável,
O direito ilegal – e suas penas incumpríveis,
O investimento desproporcional – e o desmatamento irracional.

E a poesia fica bem do lado, rindo de tudo que vê, pois só ela está salva de tudo isso. Só a poesia sobrevive a tanta loucura.

Por isso proponho que tente ser mais acessível. Mas sem banalizar a língua! Use menos imperativos, deixe o sujeito mais livre, coloque o predicado onde quiser... Converse com o ponto final, faça ele virar vírgula. Não faça apenas poemas, faça poesia.

O dia todo.

Só a poesia é quem vê,
Só a poesia vê o que é.


Veja mais

Do privilégio ao exercício da responsabilidade
Espaço Integração 17 anos
Sustentabilidade em foco
Sobre a atuação da jovem Greta
Desmitificando a hérnia de disco
TV Vagalume: Chorou ganha colo
TV Vagalume: A criança faz parte da tribo família
Bolo improvisado por Natureba TV
Queijo Vegano no Natureba TV
Batata Chips de forno que não gruda
TV Vagalume: Ajudando as crianças a lidar com a raiva
TV Vagalume: A quietude na convivência com as crianças
O que fazer quando a criança faz birra?
Biscoitos de Polvilho Colorido no Natureba TV
Leite de Coco caseiro no Natureba TV
Mousse de Chocolate na NaturebaTV
Naturvin - Cooperativa de Vinhos Naturais
Vinhos libaneses
Vinhos da Provence
Expovinis Brasil 2015

 




Pesquisar




X





















© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 9 8266 8541 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR