Fone: (11) 4617-3641 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco            
sitedagranja
| booked.net | Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui
Voltar

14/12/2011

Notícia - Cristina Oka

Por Layla Marques O COMTUR Cotia, em conjunto com o CIESP, está programando para março de 2012 a realização do "Fórum Sou Capaz", dentro do Projeto Capital Humano.


Por Layla Marques

O COMTUR Cotia, em conjunto com o CIESP, está programando para março de 2012 a realização do "Fórum Sou Capaz", dentro do Projeto Capital Humano. A proposta é discutir a inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho.

E para entendermos melhor como o Fórum vai funcionar e como esta questão social tem sido tratada em Cotia, o Site da Granja entrevistou a diretora de Turismo e presidente do COMTUR, Cristina Oka, que deu um recadinho a todos os que têm uma interface com a comunidade. "Hoje não temos um número mínimo que dê uma ideia da quantidade e perfil dos portadores de Cotia. Conversamos com Paulo Generoso, do Conselho dos Portadores de Necessidades Especiais e diretor da APAE, e vamos formar uma frente para obter essas informações. A ETEC Cotia propôs-se a apoiar com a construção de um banco de dados. Vamos precisar da ajuda de todos", disse ela.

Site da Granja: O que é o Fórum Sou Capaz?

Cristina Oka:
O Fórum Sou Capaz é uma iniciativa liderada pela FIESP, com o objetivo de capilarizar nas regionais FIESP/CIESP a discussão sobre o cumprimento da Lei de Cotas e os desafios da inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho.

Site da Granja: E como surgiu em Cotia?

Cristina Oka:
Aqui, a discussão surgiu no âmbito do COMTUR (Conselho Municipal de Turismo), num primeiro momento quando os conselheiros colocaram as dificuldades dos postos de trabalho na cidade a serem preenchidos, pela baixa capacitação da mão-de-obra local. A ideia inicial era promover um encontro para fomentar a questão e a necessidade de capacitação dos recursos humanos em geral. O vice-presidente do COMTUR e diretor do CIESP, José Vasconcellos, então, propuseram um encontro com supervisor do DEPAR (Departamento de Articulação) da FIESP para apresentação da plataforma Capital Humano desenvolvido pela entidade, que é um banco de dados sobre vários aspectos do desenvolvimento das localidades, inclusive da mão de obra. Com a ampliação das questões, e por demanda dos setores industriais, comerciais e de serviços, que estão sendo cobrados para cumprimento da Lei de Cotas, fomos então canalizando um primeiro trabalho relacionado ao assunto.

Site da Granja: Como ele funcionará em 2012?

Cristina Oka:
Por meio do envolvimento de secretarias municipais (Cultura e Turismo, Emprego e Trabalho, Desenvolvimento e Assistência Social, Educação), bem como de instituições e outros conselhos (Faculdades, ETEC, Conselhos dos portadores, APAE, e Ongs , além do próprio COMTUR) vamos desenvolver um levantamento diagnóstico sobre o assunto: quem são os portadores de necessidades especiais na cidade que podem ser inseridos no mercado de trabalho, e quais suas necessidades de capacitação.

Site da Granja: Há alguma parceria para a capacitação de pessoas portadoras de deficiência física? Quais são e como serão aplicadas?

Cristina Oka:
Num primeiro momento o SENAI, que será construído em Cotia até 2013, poderá incluir no seu cardápio de cursos alguns voltados para esse público. As faculdades locais já têm também alguma experiência nesse sentido.

Site da Granja: Há alguma parceria com empresas de Cotia para admissão destas pessoas ou preveem este apoio?

Cristina Oka:
O PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador) de Cotia tem oferecido vagas aos portadores de necessidades especiais, que frequentemente não são preenchidas.

Site da Granja: Hoje, a COMTUR conta com empresas parceiras para este projeto? Qual a importância de contar com elas?
Cristina Oka:
Além do próprio CIESP Cotia, das duas faculdades: Mário Schenberg e Estácio de Sá, e da ETEC Cotia, tivemos também uma aproximação com a Fecomércio para participação no Fórum.

Site da Granja: Para você, Cristina, o que significa contribuir para a inserção de um grupo de pessoas "aparentemente" esquecido pelo mercado de trabalho?

Cristina Oka:
O assunto é complexo, envolve desafios estruturais de acessibilidade, além das dificuldades de capacitação, mas o importante primeiramente será obtermos dados sobre esse universo em Cotia, para que possamos desenvolver políticas públicas mais amplas.

Site da Granja: Quais valores destaca destas pessoas para que as empresas não apenas cumpra cotas, mas acredite nelas?

Cristina Oka:
O esforço e capacidade de superação são relatos frequentes de empresas que se dedicam a acolher os portadores de necessidades especiais em seus quadros. Também são pessoas que ensinam muito sobre aprendermos a lidar com as diferenças.










 

Pesquisar

























© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 96948-3326 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR