Fone: (11) 4617-3641 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco            
sitedagranja
| booked.net | Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui
Voltar

10/07/2013

Notícia - Cepro disponibiliza jovens

Na primeira semana de julho, 210 jovens de Cotia e Carapicuíba, com idade entre 15 e 18 anos, se tornaram aptos para enfrentar o mercado de trabalho.


Na primeira semana de julho, 210 jovens de Cotia e Carapicuíba, com idade entre 15 e 18 anos, se tornaram aptos para enfrentar o mercado de trabalho. Eles fazem parte da mais recente turma de jovens aprendizes formada pelo Cepro – Centro Profissionalizante Rio Branco, localizado no km 24 da Raposo Tavares sentido capital, junto do colégio de mesmo nome.

Fundado em 1946, o Cepro vem disponibilizando, desde aquela época, jovens capacitados. “Atualmente o centro está focado no que rege a lei do menor aprendiz. Atualmente, a lei prevê que empresas acima de sete funcionários tenham entre 5 e 15% de sua mão de obra de menores aprendizes. Em Cotia, a fiscalização tem se intensificado”, explica Maria de Fátima Barros de Pina, assistente técnica do Cepro.

Fátima explica que para ter resultados cada vez mais eficazes o centro, desde 2007, focou seu trabalho em uma faixa etária específica: jovens entre 15 e 18 anos. Desde então, foram mais de 2.500 jovens formados e quase mil deles empregados. Moradores de Carapicuíba ou Cotia, eles precisam estar matriculados no ensino médio, em período noturno, em escola pública, e não podem repetir o ano. “Aqui damos formação administrativa, mas também há jovens aprendizes com formação técnica em escolas como a do Senai. Nossa capacitação, que dura seis meses, com aulas de 4 horas de segunda à sexta. Aqui eles aprendem a rotina administrativa de uma empresa, como atender as pessoas, informática, têm reforço de português e matemática, além de postura, comportamento corporativo, entre outros temas.”

Juntamente com a formação, os alunos do Cepro são acompanhados na construção de seu projeto de vida. “Eles pesquisam profissões, visitam empresas, aprendem a construir um plano de vida e carreira”, conta a representante do centro. “Temos de lembrar que esses jovens normalmente são de famílias humildes e que dificilmente esse aprendizado empresarial será dado em casa”.

Acompanhamento contínuo

Após o treinamento, o Cepro intermedia a busca de empregos nas empresas parceiras do projeto. Atualmente são 77. “Apesar da lei e da fiscalização cada vez mais rígida, ainda poucas organizações se preocupam com o jovem aprendiz. Às vezes até por desconhecimento. Estamos, inclusive, em busca de empresas parceiras, pois empregar um jovem aprendiz é um processo bastante controlado, também pelo governo”.


O encaminhamento de um jovem aprendiz para um emprego deve ser feito por uma instituição certificada. Em Cotia, ela é o Cepro. A empresa que quer empregar deve se cadastrar nela. O aprendiz terá um contrato de 11 meses em que trabalhará 6 horas por dia, com algumas restrições. “O menor aprendiz não pode faze serviços de rua, como banco ou entregas. Também lhe é restrito mexer com dinheiro, carregar peso ou operar máquinas que ofereçam riscos à sua saúde e segurança, mesmo que use equipamentos de proteção”, explica Fátima.

Durante esse período ele é acompanhado pelo Cepro, inclusive no seu desempenho escolar e também na sua relação familiar. “Precisamos que a família esteja consciente desse momento na vida do jovem, em que ele deve se concentrar no trabalho e nos estudos. Durante o contrato de trabalho em vigor, esse jovem passará por uma formação complementar no Cepro. Em relação às empresas, elas também precisam se conscientizar que estão cumprindo um papel social. Não podem esperar uma grande produtividade do jovem aprendiz como a de um funcionário adulto, pois é seu primeiro emprego. Mas podem esperar dedicação, comprometimento e investir em uma mão de obra futura. Temos casos de jovens que continuaram na empresa depois do contrato e outros ainda que fizeram um trabalho tão bom, que voltaram posteriormente para o mesmo escritório como estagiários ou quando já formados em universidades” finaliza Fátima. Para recrutar jovens aprendizes ou conhecer mais sobre o programa é só entrar em contato com o Cepro.

Serviço:

Cepro – Centro Profisisonalizante Rio Branco.
Endereço: Rodovia Raposo Tavares km 24, sentido Capital
Telefone: 4613-8558
Site: www.cepro.org.br






 








 

Pesquisar

























© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 96948-3326 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR