Fone: (11) 4617-3641 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco            
sitedagranja
| booked.net | Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui
Voltar

04/02/2010

Notícia - Nossa História - José Felix de Oliveira

Estamos dando início a uma série de reportagens sobre os primórdios da Granja Viana.


Estamos dando início a uma série de reportagens sobre os primórdios da Granja Viana.

Pretendemos contar um pouco da vida de alguns membros da comunidade que foram homenageados com nomes de ruas do bairro e assim contribuir para que o granjeiro saiba um pouco mais sobre a história local.

E começamos com José Felix de Oliveira, antigo administrador da Fazenda Viana, que dá nome à principal rua do centrinho da Granja, abrigando o centro comercial e gastronômico da região.



Nascido em 18 de março de 1910, José Felix de Oliveira decidiu sair de Cajuru, interior de São Paulo, com a esposa Catarina e os dois filhos gêmeos, Sebastião e José, após a queima da safra de café ordenada pelo então presidente Getúlio Vargas, medida tomada para reduzir a oferta e melhorar os preços do produto. Logo em seguida, José Felix viu um anúncio no jornal em que a família Vianna procurava um administrador para sua fazenda, e acabou sendo contratado em 1940 pelos irmãos Niso e Genuino Vianna.

Ele e sua família instalaram-se onde hoje é a Granja Velha (região próxima ao Recanto São Camilo, na continuação da rua José Felix), e deu início à fundação da fazenda, abrindo ruas, plantando hortas, estábulos, cocheiras, ajudando a construir a primeira sede da fazenda, também na Granja Velha. Niso e Genuíno naquela época eram sócios na produção de adubos e vinham à fazenda com a família apenas para passar os fins de semana. Só mais tarde, com a importação de gado leiteiro, é que Niso Vianna mudou-se para Granja, mandou construir a sede nova da fazenda onde hoje é o condomínio Chácaras Viana, localizado na R. Fernando Albuquerque, rua lateral onde está sendo construido o Shopping Granja Viana.

Além dos gêmeos, José Felix teve mais duas meninas, Zoraide, nascida em 1940, e Zenaide, em 1942, e outro menino, Artur, nascido em 1947. Seus filhos andavam a cavalo, nadavam na represa, e segundo Zenaide, sua infância na Granja foi maravilhosa, rodeados por um pomar com pés de caqui, mamão, abacateiros, pitangueiras e muitas goiabeiras que além de servirem de balanço, na estação enchiam tachos e tachos de doce.


Quando a sede nova ficou pronta, José Felix mudou-se para sede velha. Vizinho de Genuíno, seus filhos cresceram juntos e conviviam como parentes. Para entreter-se, José Felix costumava ir sempre às festas da aldeia de Carapicuiba e à festa de São Pedro, quando faziam churrasco, juntavam todos e se divertiam. Genuíno alugava filmes, como O Zorro e O Gordo e o Magro, pendurava um lençol entre dois bambus e fazia uma sessão de cinema. Na época de Natal, uma árvore enorme era montada e uma grande festa era realizada durante todo o dia, as crianças ganhavam presentes e a união das famílias se intensificava.
Com o passar dos anos, a fazenda foi crescendo e o número de colonos também, que foram se instalando ao longo da futura Raposo Tavares, entre os atuais McDonalds e o Bradesco.

Homem trabalhador, honesto, educado, forte, bonito, alto (media quase 2 metros), moreno e de olhos verdes. Esse era José Felix. Conhecido por apartar brigas que às vezes ocorriam no campo de futebol, seu nome era clamado pelas mães desesperadas que pediam para que ele acabasse com as brigas, lembrou a filha Zenaide.

Ela também nos contou que apesar de possuir um temperamento forte, seu pai respeitava a todos. Antigamente, a palavra de um homem era o que ele tinha de maior valor, e José Felix levava essa afirmação a sério.

Sua esposa Catarina, mais conhecida hoje como Vó Catarina, lembra muito dele andando a cavalo, nas trilhas que ele mesmo fez, que levavam até o Kira. "Ele era muito bom, mas era um pouco bravo com quem não fazia as coisas direito", afirma Vó Catarina, 92 anos, casada com Zé Felix durante 35 anos.

Além de administrar a fazenda, José Felix possuía uma criação de porcos, foi dono das primeiras olarias e de 4.000 alqueires de terra, que se localizavam na Av. São Camilo, próximo ao Celeiro da Granja. Após trabalhar 21 anos na fazenda, ele teve ainda moço um derrame e ficou doente por 10 anos. José Felix se aposentou e mudou-se para o Lar Escola Rotary, atual E.E. Vinicius de Moraes, onde ele e sua esposa trabalharam. Depois, mudou-se para a R. Cherubina Viana, onde faleceu, dia 27 de janeiro de 1968. Por ser muito querido, um número grande de pessoas compareceu ao seu enterro.

Havia duas estradas conhecidas pelo mesmo nome: " Estrada da Aldeia". Isso confundia os que não eram moradores. Genuíno e Niso resolveram dar a uma delas o nome de Rua José Felix de Oliveira, em homenagem ao fundador da fazenda, ocasião em que foi celebrada uma missa em sua memória.

Agora, toda vez que você passar pela Rua José Félix, vai se lembrar de quem ele foi e talvez veja a rua com outro olhar. Afinal, para criarmos raizes, vinculos com as pessoas ou lugares, é preciso saber um pouco da sua história.
A História do nosso bairro através dos nomes das ruas:
- Avenida São Camilo:
http://granjaviana.com.br/noticia/nossa-historia-sao-camilo

Assista vídeo da entrevista com a Vó Catarina contando sobre a história do casal na Granja.



Pesquisa: Marina Novaes


Fotos: Arquivo Família Felix de Oliveira e Familia Vianna








 

Pesquisar

























© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 96948-3326 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR