Fone: (11) 4617-3641 | Quem Somos | Anuncie Já | Fale Conosco            
sitedagranja
| booked.net | Newsletter

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

ASSINAR

| Anuncie Aqui

Agito Cultural

09/09/2005

Marcelo Brissac


Marcelo Brissac, meu amigo há alguns anos, é músico de muito talento e sensibilidade, que também trafega pelos caminhos da produção musical nos seus bastidores.
Tive o prazer de trabalhar com Marcelo em diferentes oportunidades. Conheci-o quando ele trabalhava no Studio MC2, do Cid Campos. Brissac é equilibrado, culto e dono de muito bom senso. Teve uma participação valiosíssima na produção dos CDs do Cid ― No Lago do Olho e Fala da Palavra ―, nos quais gravei violões e guitarras.
Houve um outro momento, curioso e marcante, que foi o lançamento do "álbum" de poesias do nosso amigo Walter Silveira. O evento, chamado "Cabaré Walter", aconteceu numa casa muito gostosa na Rua Augusta ― Panino Giusto. Walter reuniu vários artistas para fazerem as leituras dos poemas de seu álbum. Entre os parceiros e artistas presentes às leituras estavam Arnaldo Antunes, Lenora de Barros, a Tiazinha e, claro, o próprio poeta e muitos outros que iam lendo e interpretando os poemas enquanto eu, Cid e Marcelo Brissac, simultaneamente, íamos fazendo um verdadeiro free, musicando toda aquela energia que rolava. Foi muito bom estar lá, com a casa lotada. Também foi muito divertido curtir aquele momento que por todas as boas razões ficou gravado na memória.
Hoje Marcelo Brissac está no Rio de Janeiro, coordenando toda a programação da rádio MEC e vai nos contar como é seu trabalho por lá.

1- Como surgiu seu interesse em estudar flauta? Geralmente os músicos que tocam um instrumento de sopro também se dedicam a outros instrumentos, como o sax, o clarinete etc. Este é também o seu caso?
Comecei a me interessar pela flauta quando tinha uns 16 para 17 anos, ouvindo discos do Jethro Tull, que tem o flautista Ian Anderson e rock-and-roll na veia. Só estudei flauta.

2- Seus trabalhos, como músico e de uma maneira geral, estiveram ligados à música de vanguarda. Isso não limitou suas oportunidades de trabalho? Você desenvolve seus próprios projetos ou é convidado para tocar em outros?
Sem dúvida, no Brasil, o trabalho com música contemporânea e ligada à experimentação ― ou como diz o poeta Augusto de Campos, à invenção ― torna mais difícil conseguir locais para apresentações, mas sempre me apresentei em espaços como o SESC e fora do Brasil (EUA e Alemanha). Durante vários anos desenvolvi projetos com Livio Tragtenberg e temos um CD ― Bazulaques brasileiros ― que fizemos juntos, nessa época, que durou de 1989 até 1992. Tocamos em vários lugares em São Paulo, Rio, Curitiba e fora do País.

3- Hoje, como coordenador de programação e produção da rádio MEC FM no Rio de Janeiro, você exerce uma função de decisão, o que implica o poder de escolha e, conseqüentemente, o risco do acerto e do erro, do que funciona para um determinado público e o que pode não funcionar. Como você deixa fluir a sensibilidade do músico Marcelo? Seus gostos pessoais estão presentes na função?
Por incrível que pareça, sempre ouvi de tudo na minha vida, desde rock-and-roll até produções mais contemporâneas. Sempre tive em minha cabeça que existe música boa e música ruim, seja ela jazz, instrumental, cantada, popular etc. Aqui na Rádio MEC ― eu vim para cá há 8 meses, ocupando uma função de gerência ― acaba não dando tempo para eu influenciar muito nas músicas que são tocadas. Claro que ouço e comento sempre com os produtores e programadores sobre esta ou aquela música e, sempre que dá tempo, indico uma coisa ou outra. A grade da MEC FM é basicamente música de concerto ― cerca de 85%.

4- Você tem contato direto com o público ou acaba sendo um trabalho de bastidor? Como você recebe o feedback do resultado direto do seu trabalho?
Eu tenho pouco contato com os ouvintes, mas temos pesquisas feitas pela Central de Atendimento ao Ouvinte e pelo IBOPE, pelas quais avalio como vai indo a rádio e também circulo um pouco neste mundo do concerto. E, quando as pessoas sabem, vêm sempre comentar alguma coisa comigo.

5- Um amigo tem uma banda e, como estratégia, o trabalho começou a ser mostrado primeiro em rádios do interior de SP… Qual é o processo que o artista tem que percorrer pra fazer seu trabalho tocar nas rádios? Que dica você daria para uma banda que inicia ou um artista que produz um CD independente, por exemplo?
O trabalho de divulgação chega a ser quase um ato de loucura aqui no Brasil. Se o trabalho é comercial, tudo bem, porque, apesar da pouca durabilidade e consistência, ele vai sendo divulgado pelas gravadoras, que têm interesse comercial, como na venda de carros, sapatos etc. Quando se fala em trabalhos independentes, aí é que as dificuldades aparecem, primeiro porque as rádios comerciais não têm nenhum interesse. Creio que o melhor caminho é procurar rádios com perfil mais cultural. Normalmente isto é feito pelas rádios públicas, como a MEC, a Cultura/SP e outras em estados diversos.

6- Soube, aqui em São Paulo, que você acaba de comprar um iate e um apartamento novinho. Como foi isso? Rsss Falando sério, como foi mudar da grande SAMPA para o Rio... e como você está lidando com uma cidade tão rica e diversa culturalmente?
Puro boato, porque me mudei para cá, mas não recebo malas de dinheiro. Rssss. Olha, como paulistano que sou, nunca havia imaginado morar no Rio. Mas como a vida é cheia de curvas, ou a estrada é muito comprida... essa você conhece. Estou gostando do Rio. É uma cidade muito bonita, mas também cheia de problemas que afetam, claro, seu lado cultural.


Veja mais

Paul McCartney
Um pouco de música ao vivo na Granja Viana
As Palhetas Lost Dog!
Uma História Maluca
Eduardo Araújo - Parte 2
Eduardo Araújo - Parte 1
CD Amazônia
Música Digital
A Lei Rouanet e o dinheiro para a Cultura
Equívoco
www.musicosdobrasil.com.br
Uma enciclopédia instrumental

Cabelos de Sansão
Entrevista - Paulo Oliveira
Trópico de Capricórnio
Entrevista com Marcelo Beba
Beba Música
Música nas escolas em todo o país
Musicoterapia
Tiago Araripe
Quero Educação Musical na Escola

 




Pesquisar





















© SITE DA GRANJA. TELEFONE E WHATSAPP 96948-3326 INFO@GRANJAVIANA.COM.BR