por Karen GimenezO pensamento positivo e o medo

É comum ouvirmos sobre a força do pensamento positivo. “Pense positivo” que tudo vai dar certo e frases semelhantes são comuns no discurso de muitos que buscam ajudar e incentivar. A neurociência reforça a teoria de que quando pensamos de maneira positiva, são ativadas algumas áreas do nosso cérebro que abrem conexões voltadas para a criatividade, e que isso nos ajuda a fornecer mais energia para realizar.

 

Até aí nenhuma novidade ou quase nenhuma. A questão é como a “sabedoria popular” disfarçada em pseudociência passa a distorcer a pesquisa científica. É quando o tal pensamento positivo se torna uma maneira de esconder o medo ou a preguiça.

 

Como assim? O pensamento positivo não está relacionado à abertura de caminhos e outros estímulos positivos do nosso cérebro? Em princípio sim. Então como ele pode estar ligado ao medo e à preguiça?  A questão é entender a diferença entre o pensamento positivo e a pré-disposição à cegueira em relação ao ambiente que nos cerca.

 

Qualquer situação é uma soma de fatos e probabilidades. Algumas boas e outras ruins. E o que nos faz optar pelo caminho a seguir e o quanto vamos investir é a análise criteriosa de riscos.

 

Vamos a um exemplo simples e prático. Você vai dar uma festa para os seus amigos no quintal da sua casa. Prepara decoração e ambiente para uma radiante tarde de sol. Até que alguém pergunta: e se chover, como faremos? Os pseudocientistas de plantão vão logo se incomodar com aquele que quer considerar todas as possibilidades: olha lá o fulano pensando negativamente. E são capazes ainda de dizer que choveu porque o fulano que “só pensa negativamente” cogitou essa hipótese.

 

A previsão do tempo indica sol, mas isso não quer dizer que a possibilidade de chuva foi eliminada em função disso. Ter o foco no positivo, ao mesmo tempo em que se analisa riscos e se pensa em um plano B não tem nada de crendices ou foco no negativo. Isso se chama prevenção. Caso contrário não precisaríamos usar capacete ao andar de motocicleta. “Ah é só pensar positivo que nunca vou sofrer um acidente”.

 

“Gente para baixo”

 

Pessoas que têm essa capacidade de prever e analisar riscos são malvistas em muitos ambientes. São vistas como “gente para baixo”. Não estou falando daqueles que usam a mínima possibilidade de risco para se colocar de maneira depressiva ou na zona de conforto. Nada disso.

 

Falo de se pensar à frente, de maneira positiva, mas mantendo os pés no chão. Intrigada ao presenciar algumas situações em que analisar riscos previamente ou, ao final de um projeto fazer uma reflexão sobre as lições aprendidas – ação fundamental para se evitar a repetição de erros no futuro – são posturas de “gente negativa”, comecei a observar o quanto o medo está presente nessas situações.

 

O medo de errar e não poder terceirizar a culpa. Quando trabalhamos como falso positivo ou o pseudo foco exclusivamente no futuro podemos nos esconder atrás de desculpas como 'eu não sabia que isso podia acontecer, por isso não foi culpa minha'.

 

Pensar positivamente é saber que, diante de todos os riscos, eu tenho saída e vou me empenhar ao máximo nela. Focar no futuro é enxergar tudo o que eu já fiz anteriormente, que não deu certo e não perder tempo repetindo erros. O resto é pseudofilosofia para se furtar de responsabilidades.



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
SGF   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira.Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da KG Coaching: www.kgcoaching.net.

E-mail: karen@kgcoaching.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • O pensamento positivo e o medo
  • Duelo improdutivo por Karen
  • Escolha de carreira por Karen
  • Dá tempo de ser mãe e trabalhar?
  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia