por Karen Gimenez2018: O que precisa ser feito

O ano se inicia e novamente fazemos promessas que não vamos cumprir. Por que será que isso se repete a cada 365 dias? Possivelmente por dois motivos: ou deixamos a promessa de lado, ou fazemos o que queremos fazer em vez de fazer o que precisa ser feito para alcançar nosso objetivo.

E é sobre isso que gostaria de falar com vocês hoje: você sabe identificar a diferença entre o que você quer fazer para alcançar um objetivo e o que efetivamente precisa ser feito para chegar lá?

Nossa mente nos prega muitas peças. Confundimos imaginação com realidade. Fazemos associações fantasiosas, criamos caminhos curtos e floridos para chegar no tão sonhado resultado. Encontramos todas as desculpas possíveis para justificar uma atitude não tomada. 
 
E justamente essa atitude que deixamos de lado seria, provavelmente, a que nos levaria mais próximos do resultado. Por que motivos agimos assim?

Primeiramente porque o que precisa ser feito costuma dar trabalho e nos trazer algum incômodo. Implica em arrumar algo que há muito está desorganizado, em contabilizar o que queremos esquecer, em falar com quem não simpatizamos ou em tentar contato com alguém que não sabemos como vai nos receber. 

Os três sabores da pizza

Nos meus processos de Coaching, costumo trabalhar com os meus clientes como se o desejo de se atingir uma meta fosse uma pizza com três pedaços de tamanhos iguais, mas sabores bem diferentes (ilustração). Um deles é o resultado que queremos atingir. O segundo, é que estamos dispostos a fazer para atingir esse resultado. E o terceiro é o que efetivamente precisa ser feito para chegarmos lá.

O mais comum é que queiramos aumentar o tamanho do pedaço correspondente ao que estamos dispostos a fazer, acreditando que ele, automaticamente, vai nos ajudar a ampliar a fatia do resultado e a diminuir a fatia do que efetivamente precisamos fazer. E o que acontece é justamente o contrário. Quanto mais tentamos diminuir o pedaço do que precisa ser feito menor e menos saboroso será o resultado.

Vamos então deixar a emoção e o desejo puro de lado e focar no que efetivamente precisa ser feito para alcançarmos um determinado objetivo? É como aquele casaco que você não usa faz tempo porque está no fundo daquele armário que há muito tempo você precisa arrumar. O que você gostaria é ou que nunca mais fizesse frio, ou que ao esticar o braço você conseguisse pegar o casaco. Ou ainda que alguém se sensibilizasse com a situação e arrumasse o seu armário ou comprasse um casaco novo para você. Diante disso você se lamenta todos os dias pela falta do casaco e pela “falta de tempo para arrumar o armário” e também pelo preço do casaco novo no shopping.

Afinal o que você quer é o casaco, mas não está disposto a fazer o que precisa para consegui-lo, que é arrumar o armário. Pensa no armário pelo menos uns dois minutos por dia (que ao final de um ano se somados darão mais do que dez horas), mas não se dispõe a fazer o que efetivamente precisa ser feito para atingir seu resultado: separar duas ou três horas em frente ao armário, colocá-lo em ordem e pegar o casaco.

Ah! mas eu não tenho tempo. De separar duas horas produtivas para conseguir seu objetivo não tem, mas para, durante o ano, foi possível desperdiçar mais de 10 horas pensando no casaco e no armário bagunçado? Vamos repensar nossa maneira de atingir resultados e valorizar o que precisa ser feito para chegar até eles?



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
ROI   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Visão Empresarial - Karen Gimenez

Karen Gimenez

Master Coach, PNL Master e Coach em Inteligência Financeira.Formada em Comunicação com MBA em Estratégia Empresarial e em Geografia com especialização em Gestão do Terceiro Setor. É professora de pós-graduação na Unip nas áreas de Liderança e Coaching e proprietária da KG Coaching: www.kgcoaching.net.

E-mail: karen@kgcoaching.net



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • 2018: O que precisa ser feito
  • A revolução dos lixeiros
  • Home office e a Lei
  • O pensamento positivo e o medo
  • Duelo improdutivo por Karen
  • Escolha de carreira por Karen
  • Dá tempo de ser mãe e trabalhar?
  • Terceirização: questão de coerência
  • Bonzinho X Competente
  • Quando o RH atrapalha o treinamento
  • A educação financeira nas empresas
  • Protagonismo – um caminho sem volta
  • Vamos melhorar nossas reuniões?
  • Para vender é preciso aprender a ouvir
  • Como estragar seu primeiro encontro
  • O estagiário e o ônibus
  • O Uber pode nos tornar mais humanos
  • O que não se mede não se gerencia
  • Você, gestor
  • Contrato não é burocracia
  • A dificuldade de ouvir não
  • O trabalho em 2016
  • O falso milagre das palestras
  • Delegar 3.0 em vez de “delargar”
  • O preço da indecisão
  • O que efetivamente é um consultor?
  • Sua empresa na nuvem
  • A hora e a vez das mulheres
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 2
  • Brasileiro abre empresa, não empreende 1
  • Ser veloz não é ser apressado
  • Liderança Servidora
  • Empreendedorismo atrás das grades
  • Contratamos mal
  • A maior decisão profissional
  • Mercado de trabalho em 2015
  • Conexão Profissional
  • Criativo não é inovador
  • A personalidade do cliente
  • Negócios Paralelos
  • Amigos e negócios
  • Trabalha muito e produz pouco 2
  • Trabalha muito e produz pouco
  • Você sabe gerir seu tempo?
  • Mudar de emprego
  • Falsos heróis profissionais
  • Você é um empreendedor caprichoso?
  • Ah! Essa minha equipe...
  • Networking tem técnica – parte 2
  • Networking tem técnica – Parte 1
  • Miopia empresarial: qual é a sua?
  • Qual a base da sua venda?
  • Parceria: êxito ou frustração?
  • Conhecimento X Autoestima
  • A falta que o treinamento faz
  • A comparação com você mesmo
  • Uma questão de preconceito
  • Sua carreira em 2014
  • Home Office – parte 3
  • Home Office parte 2
  • Home Office parte 1
  • Pobres engenheiros
  • Os profissionais do jeitinho
  • Controle ou Gerenciamento?
  • Identidade financeira – Parte 2
  • Identidade financeira – Parte 1
  • Workaholics improdutivos
  • A arte de cofundir a equipe
  • Você sabe dar “feedback”?
  • Sustentabilidade da porta para dentro
  • Quais são os seus papéis na vida?
  • Não precisa ser perfeito. Basta ser honesto
  • Não basta ser técnico para ter um negócio
  • Quem falha ao planejar, planeja falhar
  • A falsa sensação de empatia
  • A falsa sensação de um clima de harmonia