por Maluh DupratDe antenas ligadas por Maluh

Muitos anos atrás, uma questão recorrente que preocupava as famílias era a longa permanência das crianças na frente da televisão. A TV, quando boa parte da população dos grandes centros urbanos passou a morar em apartamentos, substituía as brincadeiras de rua e ‘tomava conta’ delas na ausência da mãe ou da babá. Incomodava principalmente pelas tarefas de casa em segundo plano, pela sua passividade e chegou a ser vista como um veículo de alienação da realidade social.

Tempos depois (séculos!), com o surgimento da internet e dos videogames, desta vez ativos e interativos, nova polêmica: as crianças deixaram a TV para trás, se ligaram ao universo virtual e se desconectaram do mundo presencial (leia-se familiar). A preocupação dos pais mudou de mídia, mas permaneceu o desconforto com a dependência dos filhos dos jogos e das redes sociais.

Uma crítica injusta, diga-se de passagem, pois os adultos também caíram na rede! Nos primórdios, havia uma única TV para a família toda. Com o advento do computador, a mesma coisa, um para todos. Com a chegada do celular, o telefone, que também era um só nas casas, passou a ser individual e intransferível, da mesma forma que TVs e PCs. Antes, um prá todos; hoje, todos têm um!

A própria TV, que estava se tornando obsoleta diante do avanço da tecnologia, correu atrás e através de cabos, trouxe o mundo cenográfico para dentro de casa. Foi se adaptando ao perfil de usuários cada vez mais exigentes e formatando-se como um novo modelo de comunicação, principalmente através de filmes recém lançados no cinema e seriados dos mais diversos temas, de qualidade cinematográfica. 

Voltando ao início da conversa, tínhamos a TV como instrumento de alienação. Me pergunto se hoje, 40 ou 50 anos depois, com a adesão maciça aos andróides e seriados, não estaríamos nós, adultos, também nos desconectando (in)discretamente de uma realidade pouco atraente e de futuro incerto.

Pensando bem, a velha e boa TV – hoje sem bombril na antena -, com seus canais de notícias e publicidade, talvez não seja tão alienante assim... 



Os artigos e reportagens, quando assinados, não refletem necessariamente a opinião do Site da Granja e são de inteira responsabilidade de seus autores.


  • Comentários (0)
  • Comente aqui
  • Indicar para amigo(a)
  • Imprimir
Nenhum comentário.

Preencha os campos abaixo:

Nome:
E-mail:  Exibir e-mail
Título:
Comentário: 
Seu comentário sobre essa matéria, será avaliado
e publicado no prazo máximo de 48 horas.
CYR   

Indique esta notícia a um(a) Amigo(a):

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome Amigo(a):
E-mail Amigo(a): 

Divã na Internet - Maluh Duprat

Maluh Duprat

Maluh Duprat é psicóloga clínica, orientadora vocacional e membro do Núcleo de Pesquisa da Psicologia em Informática (NPPI), da PUC/SP.



Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

newsletteranuncie

Receba nosso informativo semanal

Arquivo

  • De antenas ligadas por Maluh
  • Autoamáveis por Maluh
  • Contentes Contatos
  • Aprendiz de Feiticeiro Por Maluh
  • Novos tempos!
  • Internet parceira no vestibular
  • A escolha profissional - o futuro à vista!
  • Internet: um desafio para a Educação
  • Educar ou punir
  • De perto, ninguém é normal
  • Internet Segura por Maluh Duprat
  • Era digital: um novo modo de vida
  • Internet: E a vida depois da morte?
  • Resiliência - Cirulink indica o caminho da superação
  • Resiliência - Nossa história não é nosso destino
  • Pai nosso de cada dia
  • A voz do povo é a voz de Deus?
  • Sorria, você está sendo filmado!
  • Plante uma árvore na internet
  • Internet - Vida ou Games?
  • Pedofilia - Crimes Cibernéticos
  • Internet parceira no vestibular
  • Tecnologia é a resposta, mas qual era a questão?
  • Cyberbullying: ofensas e humilhações na Internet
  • Eleições 2008: Internautas na mira
  • Quando a Internet pode ser nociva
  • Namorando na Rede
  • Realidade e Fantasia
  • Internet: Virtude e Vício
  • Internet: em boa companhia
  • Invasão de Privacidade